Páginas

quinta-feira, 3 de maio de 2018

Trump e Merkel tentam diminuir diferenças sobre comércio, Otan e Irã

O presidente americano, Donald Trump, recebe na Casa Branca a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em 27 de abril de 2018.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recebeu no dia 27 de abril na Casa Branca a chanceler alemã, Angela Merkel, para tentar diminuir as diferenças evidentes em temas como trocas comerciais, Otan e o acordo nuclear com o Irã.

Trump saudou Merkel como "uma mulher extraordinária" e disse que os dois governos estão "trabalhando em diferentes assuntos, incluindo comércio, a Otan e questões militares".

Entretanto, a entrevista coletiva conjunta dada após as reuniões deu a impressão geral de que os dois líderes se limitaram a expor seus pontos de vista, sem avançar de forma significativa em uma aproximação.

Trump, por exemplo, mencionou que os Estados Unidos mantêm com a União Europeia um déficit comercial, "embora seja difícil de acreditar, de 151 bilhões de dólares, incluindo 50 bilhões de déficit anual em automóveis e partes de automóveis".

"Não existe forma de termos um déficit de 151 bilhões. Vamos fazer com que seja recíproco. Vamos fazer com que seja algo mais justo, e acho que, no final das contas, todo mundo ficará contente", declarou o presidente americano.

- Presidente 'obviamente' insatisfeito -

Por meio de uma intérprete, Merkel admitiu que "o presidente (Trump) obviamente não está satisfeito com o lucro comercial. Já fomos capazes de reduzi-lo, mas ainda temos muito a fazer".

Em março, os Estados Unidos impuseram pesadas tarifas à importação de aço e alumínio, embora tenham adotado uma isenção temporária para um grupo de países, incluindo as nações da União Europeia, que vence na terça-feira da próxima semana.

Ao ser consultada se no dia 27 de abril havia recebido de Trump alguma promessa de que a isenção seria mantida, Merkel se limitou a dizer que "tivemos uma troca de pontos de vista" e que "a decisão será do presidente".

No dia 26 de abril, um funcionário de alto escalão do governo alemão revelou que Berlim não tem ilusões sobre a isenção tributária, e que as tarifas alfandegárias estarão vigentes a partir do dia 1º de maio.

O principal assessor econômico de Trump, Larry Kudlow, por sua vez, disse na quinta que Washington poderia manter a isenção de taxas aos países da UE caso o bloco aceitasse fazer concessões, e mencionou em particular o mercado automotivo.

- Otan: Trump pede mais contribuição -

A situação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) foi outro ponto de discordância, e Trump criticou abertamente a Alemanha e os outros países europeus por não contribuírem de forma suficiente com os enormes gastos de manutenção da aliança militar.

"A Otan é fantástica, mas ajuda mais a Europa do que os Estados Unidos. Então por que estamos pagando a ampla maioria de seu custo?", se queixou Trump, acrescentando que "estamos protegendo a Europa e, entretanto, pagamos muito mais que qualquer outro".

A Casa Branca insiste que os países integrantes da Otan devem aumentar suas contribuições e cumprir com o compromisso de 2% do PIB anual nos gastos de Defesa.

Merkel, contudo, prometeu que a Alemanha aumentará seus gastos de Defesa "para 1,3% do PIB (...) Não iremos alcançar o objetivo, mas estamos nos aproximando".

Mas Trump se esquivou de responsabilizar Merkel pela situação: "Não culpo a chanceler Merkel por isso. Não culpo a Alemanha e sequer a União Europeia. Culpo as pessoas que me antecederam e permitiram que isso acontecesse", disse.

Neste mesmo dia, o secretário americano de Estado, Mike Pompeo, criticou diretamente a Alemanha por essa questão, à margem de uma reunião de chanceleres da Otan em Bruxelas.

Ao ser questionado sobre a Alemanha fazer o suficiente com relação aos compromissos financeiros na Otan, Pompeo foi direto: "Não. Deveriam alcançar os objetivos que acordaram", respondeu.

- Acordo 'insuficiente' com o Irã -

Com relação ao Irã, Merkel e Trump pareceram encontrar algum tipo de terreno comum, ao ponto de a dirigente alemã considerar "insuficiente" o acordo assinado por vários países com Teerã em 2015.

Na semana passada, Trump e o presidente da França, Emmanuel Macron, falaram de um "novo" acordo com Teerã para complementar o tratado assinado, ideia que Rússia e Irã rechaçaram prontamente.

Em sua intervenção do dia 27 de abril, Merkel disse que o acordo atual "não é perfeito", embora não tenha mencionado a possibilidade da Alemanha se retirar deste.

Trump tem até 12 de maio para informar ao Congresso americano se acredita que o Irã cumpre ou não com o acordo, decisão da qual dependerá a permanência de Washington nesse entendimento multilateral.

No dia 27 de abril, Trump evitou adiantar o que acontecerá se romper o acordo com o Irã, mas foi enfático: Os iranianos "não farão armas nucleares. Podem apostar isso".

Nenhum comentário:

Postar um comentário