Páginas

terça-feira, 27 de março de 2018

China e EUA manterão diálogo sobre questões comerciais

USTR Robert Lighthizer, em encontro da OMC, ano passado, na Argentina.

O principal responsável chinês para a Economia, Liu He, conversou por telefone com o secretário americano do Tesouro, Steven Mnuchin, e os dois concordaram em seguir "se comunicando" sobre as questões comerciais - anunciou a agência Xinhua no dia 24 de março.

A conversa revelada pela agência oficial de notícias ocorre no contexto de máxima tensão entre Pequim e Washington, após o presidente americano, Donald Trump, decretar a adoção de impostos sobre importações de produtos chineses, totalizando 60 bilhões de dólares anuais.

Essas taxas futuras apontam para setores, nos quais Washington acusa a China de ter roubado tecnologia americana.

Liu He é um responsável do Partido Comunista Chinês formado na Universidade de Harvard e que alcançou, no dia 19 de março, o cargo de vice-primeiro-ministro. É encarregado de supervisionar os setores financeiros e econômicos da China.

Na conversa por telefone do dia 24 de março, denunciou que uma investigação dirigida pelos Estados Unidos tenha violado as normas do comércio internacional e garantiu a Mnuchin que Pequim está disposta a se defender, indicou a agência Xinhua.

Em agosto, Washington lançou oficialmente uma investigação sobre as práticas da China no campo da propriedade intelectual e da transferência forçada de tecnologias americanas.

"A China está disposta a defender seus interesses nacionais e espera que ambas as partes continuem sendo racionais e trabalhem juntas para salvaguardar a estabilidade geral das relações econômicas e comerciais entre China e Estados Unidos", declarou Liu, ainda segundo a agência.

No dia 23 de março, a China advertiu os Estados Unidos de que não tem "medo de uma guerra comercial" e ameaçou impor tarifas às importações americanas da ordem de 3 bilhões de dólares.

Além disso, Pequim publicou uma lista de produtos, que vai de fruta a carne de porco, que poderiam ser taxados com tarifas de até 25%. Os chineses disseram, porém, estar dispostos a negociar um acordo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário