Páginas

domingo, 3 de dezembro de 2017

Mulheres pré-históricas eram mais fortes que campeãs de remo atuais

Cientistas da Universidade de Cambridge analisaram o úmero e a tíbia de 45 mulheres que jogam futebol, correm ou remam, e de um grupo de mulheres sedentárias.

As mulheres pré-históricas tinham os braços mais fortes que as atuais campeãs de remo graças a sua participação ativa na agricultura, que incluía semear e moer grãos manualmente, segundo um estudo publicado no dia 29 de novembro na revista Science Advances. 

Cientistas da Universidade de Cambridge analisaram o úmero e a tíbia de 45 mulheres que jogam futebol, correm ou remam, e de um grupo de mulheres sedentárias. 

Depois, compararam os resultados com os ossos das mulheres que viveram no Neolítico. 

"Analisando os ossos das mulheres em um contexto específico, podemos entender o quão intensas, variáveis e difíceis eram suas atividades", indica a autora principal do estudo, Alison Macintosh, da Universidade de Cambridge. 

Os pesquisadores de Cambrigde escanearam durante três semanas os braços e as pernas da equipe de remo feminino da universidade, que treina 21 horas e percorre em média 120 quilômetros por semana. 

O úmero das mulheres da pré-história era 30% mais forte que o das estudantes de Cambridge. 

"Antes da invenção do arado, o cultivo dos campos implicava plantar, semear e colher manualmente", diz Macintosh. 

"As mulheres provavelmente também iam buscar comida e água para o gado, processavam o leite e a carne e trabalhavam a pele e a lã em tecidos", acrescenta. 

Outra atividade importante à que se dedicavam era transformar o trigo em farinha, usando duas pedras de grandes dimensões. 

"Nossas descobertas sugerem que durante milhares de anos, o rigoroso trabalho manual que as mulheres faziam foi crucial para as primeiras economias baseadas na agricultura", aponta Jay Stock, cientista da Universidade de Cambridge que também participou do estudo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário