Páginas

quinta-feira, 30 de março de 2017

Carne Fraca: governo interdita mais 2 frigoríficos do Paraná

Visita técnica e vistoria na planta do frigorífico SIF 530, da Seara, do grupo JBS, em Lapa, no Paraná. Esta é uma das plantas investigadas na Operação Carne Fraca da Polícia Federal, e está com a licença de exportação suspensa - 21/03/2017.

O Ministério da Agricultura interditou mais dois frigoríficos paranaenses como consequência das investigações da operação Carne Fraca, da Polícia Federal. A operação investiga um esquema de corrupção envolvendo fiscais e frigoríficos.

As novas interdições atingem agora uma unidade da Souza Ramos, em Colombo (PR), e outra da Transmeat, em Balsa Nova (PR). Na semana passada, a Secretaria Nacional do Consumidor, órgão vinculado ao Ministério da Justiça, determinou o recolhimento de carnes de três frigoríficos paranaenses – Souza Ramos, Transmeat e da Peccin.

Além dos dois frigoríficos interditados, o Ministério da Agricultura já tinha paralisado atividades de duas unidades da Peccin – uma em Curitiba (PR) e outra em Jaraguá do Sul (SC) – e uma da BRF, em Mineiros (GO).

O ministério não deu mais detalhes sobre as novas interdições, mas afirmou que análises sobre o restante dos 21 frigoríficos citados na operação Carne Fraca prossegue.

No sábado, China, Egito e Chile anunciaram a reabertura de seus mercados para a importação de carne brasileira, movimentos que foram comemorados pelo governo brasileiro, que se mobilizou nos últimos dias para tentar diminuir o dano às exportações após o escândalo de propina envolvendo a fiscalização dos produtos no Brasil.

Outro lado

O porta-voz da Souza Ramos informou que a empresa não comentaria a interdição.

Em nota, a Transmeat informa que “está trabalhando normalmente, estando apenas com uma linha de produtos parada, que é a linha de carnes temperadas”. “Tal paralisação em nada tem haver com problemas do frigorífico, e sim de ordem burocrática do próprio Ministério da Agricultura, pois eles não sabem dizer quem tem competência para liberação desta linha de produção. […] Salientamos e deixamos claro, a Transmeat não está interditada”, diz comunicado da empresa.

Procurada, a porta-voz da Peccin não estava na fábrica para comentar a interdição. A BRF não retornou o contato da VEJA até o fechamento da matéria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário