Páginas

quinta-feira, 31 de março de 2016

Economistas, e não policiais, devem comandar luta contra as drogas, defende autor

Policia Federal apreendeu drogas, armas e R$ 350 mil em espécie em quatro carros estacionados em uma casa de um condomínio de luxo em São Pedro D' Aldeia, no Rio de Janeiro. Segundo a polícia, ninguém foi preso no local. No condomínio de luxo, os policiais apreenderam três fuzis, oito pistolas, um carregador de fuzil, um kit de metralhadora e 150 tabletes de cocaína.

Quando Tom Wainwright chegou em 2010 ao México, como correspondente da revista The Economist, começou a perceber que a luta contra as drogas deveria ser mais responsabilidade de economistas do que de generais. Ele publicou recentemente "Narconomics", um livro crítico à atual "guerra contra as drogas" que analisa os cartéis do narcotráfico como grandes empresas. A ideia de escrever "Narconomics" nasceu quando Wainwright avaliou o valor de um carregamento de 100 toneladas de maconha: as autoridades mexicanas sustentavam que valia 500 milhões de dólares (1,8 bilhão de reais), quando na realidade seu valor era de "apenas" 10 milhões de dólares (37 milhões de reais).

O primeiro número foi calculado de acordo com o preço de venda da maconha nos Estados Unidos. "Vi que se tratava de um erro, é como calcular o valor de um quilo de café na Colômbia utilizando os preços de venda de um Starbucks em Nova York", explicou o autor. "Portanto comecei a me perguntar o que mais se estava fazendo de errado ao não aplicar os elementos econômicos mais básicos à guerra contra as drogas", acrescentou o jornalista, que agora está morando novamente na Grã-Bretanha.

Seu livro oferece uma visão surpreendente, ao analisar como os cartéis da droga empregam estratégias empresariais inovadoras: o cartel de Los Zetas, por exemplo, recorre a um modelo similar ao das franquias para se expandir no México. Assim como em qualquer empresa, as organizações criminosas lamentam a falta de mão de obra, e o pequeno traficante de rua tradicional também se ressente com o surgimento do comércio on-line e da venda de drogas na deep web.

Equívocos econômicos - Uma das teses principais de Wainwright é que a chamada "guerra contra as drogas" não funciona porque parte de uma ideia equivocada: de que a redução da oferta aumenta os preços e, portanto, diminuiria o consumo. Desde 1998 "o número de consumidores de maconha e cocaína cresceu 50%, e o de opiáceos quase triplicou", argumentou sobre o fracasso desta estratégia. "Até agora a guerra contra as drogas esteve muito centrada no lado da oferta: a eliminação de arbustos de coca nos Andes, a luta contra os cartéis no México, prender traficantes de drogas nas ruas de Washington, Londres ou Madri", analisou.

Mas, por um lado, segundo explicou, a demanda por drogas ilegais não responde tanto às variações de preço. Por outro, apesar das grandes altas do preço na origem, o impacto no valor da droga para o consumidor final é mínimo. "Para fazer um quilo de cocaína são necessárias folhas de coca que na Colômbia que valem 500 dólares (1.800 reais). Nos EUA um quilo de cocaína vale 150.000 dólares (555.000 reais). Portanto, mesmo que o valor da folha de coca dobrasse, o valor da cocaína praticamente não aumentaria", avaliou.

Wainwright afirmou que, segundo alguns estudos, "para cada 1 milhão de dólares (3,7 milhões de reais) gasto para combater a oferta na América do Sul, a quantidade de cocaína consumida nos EUA cai dez quilos". No entanto, "para cada milhão que os EUA gastaram em educar as crianças a não usar drogas, o consumo diminuiu 20 quilos; e para cada milhão gastos no tratamento de dependente químico, o consumo cai 100 quilos", explicou.

O analista disse entender a frustração existente na América Latina pelos "desastrosos" resultados da política "proibicionista", e considerou que se o problema fosse visto como um mercado a conter e não como uma batalha a lutar, os resultados seriam melhores. "A maior parte dos analistas de drogas são especialistas militares ou criminalistas. Acredito que seria melhor que alguns poucos economistas se envolvessem", afirmou.

Para o autor, a melhor solução seria eliminar totalmente a demanda por drogas, mas até que isso não aconteça, "a regulação e a prevenção são a melhor resposta". "Não posso imaginar que nenhuma droga vendida pela máfia seja mais segura do que pelo governo", o que, além disso, tiraria a renda do crime organizado ao levar a oferta "para o marco legal e regulado da economia".

Legalização - O autor também se mostrou muito crítico com a banalização do consumo de drogas, sem reparar no custo humano que há por trás dele. "A política menos pior é a legalização, mas até que isso aconteça, quem compra cocaína está pagando os salários de pessoas na América Latina que decapitam crianças, que sequestram e queimam pessoas vivas", ponderou, antes de lembrar que "os cartéis usam o assassinato e a tortura como parte de seu modelo de negócio". "É uma incômoda certeza, não uma possibilidade, mas uma certeza, que comprar um grama de cocaína na Europa ajuda a pagar para alguém ser torturado até a morte do outro lado do Atlântico", advertiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário